quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Comida

Titãs

Composição: Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto


Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?...



A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte...



A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer...



Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?...



A gente não quer só comer
A gente quer comer
E quer fazer amor
A gente não quer só comer
A gente quer prazer

Prá aliviar a dor...



A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade...



Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?...



A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte...



A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida

Como a vida quer...



A gente não quer só comer
A gente quer comer
E quer fazer amor
A gente não quer só comer
A gente quer prazer
Prá aliviar a dor...



A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade...



Diversão e arte
Para qualquer parte
Diversão, balé
Como a vida quer
Desejo, necessidade, vontade
Necessidade, desejo, eh!
Necessidade, vontade, eh!

Necessidade...

Para ouvir:
http://www.youtube.com/watch?v=5nf9ClsDPhY&feature=related
René MAGRITE, La trahison des images, 1928-1929

41 comentários:

Coelho Santana disse...

A letra permite dois olhares. Um qua a interpreta como uma crítica as injustiças socias que privam as pessoas ou classes socias, em outro a letra pode fazer referência a inconstância humana que propaga uma eterna necessidade de algo a mais.
"A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade..."
"Diversão e arte
Para qualquer parte
Diversão, balé
Como a vida quer
Desejo, necessidade, vontade
Necessidade, desejo, eh!
Necessidade, vontade, eh!"

Coelho Santana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JOSÉ VALDIVAN DE SOUZA disse...

A composição “Comida” de Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto, nos reflete sobre os anseios do ser humano, anseios que não se resumem mais somente ao sustento do corpo, mas psicológicos, espirituais, anseios mais subjetivos. Não queremos só comida e água, queremos algo mais, queremos criar e usufruir, queremos ser feliz. Alias uma necessidade que nos parece insaciável na contemporaneidade, me parece nunca ter se visto na historia tantos caros de depressão, e é isso que vem sendo visto nesse processo de modernidade, muito de tudo, um excesso de informação de preocupação um mundo dinâmico e veloz, sempre nos faltando algo. “A gente quer prazer”, ate parece que vivemos carregados pelas correntezas impostas pela sociedade, deixando excluídos os que nadam contra, vivendo sem prazer, vivendo por viver.

robson disse...

A música dos Titãs, "Comida", pode levar a muitas interpretações, porém o que chama à atenção no momento em que se lê a letra da música, é que o ser humano tem vários anseios, ´parece nunca estar satisfeito com o que tem. E a letra ainda pergunta "vc tem de quê?", nesse momento percebemos os vários tipos de fome que temos, um exemplo é a cultura, mas parece que só fazemos questão de ter comida em nossas mesas.

ANDERSON LIMA disse...

“Nem só de pão vive o homem...” (Dt 8,3)
A massa pensante, formadores de uma consciência crítica, clama por socorro urgente!
“A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte!”
“Você tem sede de que? Você tem fome de que?”
É dessa forma que eu vejo a composição “Comida” de Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto. Entendo que a música reflete uma imensa crítica a uma sociedade que se tornou estática na sua principal característica humana, sua forma ou condição inata de produção e recepção de cultura e arte. Sabemos que a necessidade por “produzir” cultura é uma das maiores formas de consolidação da identidade do grupo social que a produz e esse aspecto, além de caracterizar o grupo, o diferencia dos outros.
O ser humano não deve apenas trabalhar e conseguir o mínimo necessário para sobreviver, tais como, moradia, comida, saúde, transporte. Um dos seus direitos inalienáveis é o do acesso a cultura e ao lazer, é assim que ele se humaniza, que ele se percebe no outro, que ele cria e transforma a sua realidade social de forma dinâmica e criativa.
No momento atual, a sociedade civil e os representantes dela, ou seja, os governos e seus políticos parecem não entender a importância da produção cultural de um povo. A prioridade de investimento deveria ser na nossa população, principalmente a mais carente e excluída, aquela que nunca teve chance de ver um espetáculo teatral ou musical , e mesmo visitar um museu ou qualquer outra exposição artística. Precisamos, sim! Sim, de "cestas básicas" ou cestas de consumo de cultura e aproveitar para “beber” arte, “comer” arte!

Taise disse...

Entendo que uma das formas de demonstrar os anseios da sociedade é através da musica, da percepção do artista do que esta ocorrendo a sua volta. E isso o grupo Titãs sempre fez muito bem.
Uma reflexão possível sobre a musica é a análise do momento histórico em que ela foi produzida.Comida foi composta por Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto no ano de 1987,um ano antes da nossa constituição (1988).A minha leitura é de que a música quis retratar os anseios de uma sociedade que acabara de reconquistar seu direito a democracia( redemocratização) e que necessitava não só que as suas necessidades básicas fossem atendidas(saúde,alimentação,moradia,) mas carecia de algo mais.
Aquela sociedade “gritava”, através da música, as suas reivindicações .Ela necessitava dos direitos básicos,mas almejava sim que os direitos fossem ampliados.O sempre querer mais , a meu ver reflete um grito muito tempo sufocado e que veio à tona num momento em que o Brasil estava sendo repensado,reconstituído.

ROMÁRIO HARAGONEZ disse...

A música do Titãs abarca uma discussão muito cara à sociologia humana. Tal composição direciona-nos ao fato de que as necessidades humanas não ficam restritas aos aspectos biológicos.

Nossa "comida" abrange também um quê de cultural, espiritual, enfim, situações que extrapolem o âmbito "estando de barriga cheia, tá bom!".

Claro que, não cheguemos ao absurdo de desconsiderar o fato de ser de suma importância o combate a fome, etc. O que está se colocando é a outra ponta do quebra-cabeça, o outro lado da moeda.

Em suma, trata-se de uma ótima música, ótima reflexão e que dá pano para boas discussões.

rafael rocha disse...

Os compositores fizeram à letra dessa musica na minha interpretação com a intenção de expor o que a nossa população deseja alem de comida e bebida, que e uma vida melhor de esperança, ter as coisas por inteiro não pela metade para poder aliviar a dor e o sofrimento do dia a dia, por que essa população que sofre tem varias necessidades que não são assistidas ou dada à devida importância pelos políticos ou pelas classes mais abastadas e vivem pedindo pelo amor de Deus para melhorara suas vidas.

lizetefeitosa disse...

A música “Comida”, autoria de Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Britto, foi eternizada pela banda Titãs. Sua letra faz, e fez, com que a música, além de ouvida e apreciada, pudesse ser utilizada como mote para muitas discussões. Se fizermos um paralelo com a teoria psicanalítica e a felicidade segundo Freud, podemos entender que a letra da música, logo no seu início, diz “Bebida é água! /Comida é pasto!” está ligada à “necessidade” como um conceito biológico em que o corpo busca algo que é natural para sua sustentação. Já, o restante da letra, a frase “A gente não quer só comida” é repetida a cada estrofe, junto a outras frases que indicam outras aspirações dos homens, como “Diversão e arte”, “Diversão, balé”, “A gente quer prazer”, “A gente quer dinheiro / E felicidade”. Através da teoria psicanalítica poderemos entender que essas são aspirações do “desejo”, de ordem psíquica e simbólica. Não basta a comida e a bebida para o corpo. O homem está em busca constante pela “felicidade” movida pelo desejo de algo, à exemplo “Diversão e arte. Através do conceito de felicidade, podemos fazer um paralelo, também, com a geração de artistas do século XIX quando romperam com as técnicas de pintura do seu tempo. Havia um “desejo” do novo, uma inquietação, uma busca a sentimentos, como Millet, Coubert, Monet, Renoir, Whistler , influenciando para a criação de um novo estilo: a Arte Moderna. Artistas citados no livro de Gombrich (A História da arte). Esses artistas e outros do século XIX e início do XX, para Gombrich, foram “um punhado de homens solitários que tiveram a coragem e a persistência de pensar por si mesmos, de examinar convenções sem temor e em termos críticos, criando assim novas possibilidades e perspectivas para a arte”. Não bastava para eles a comida. Era necessário a comida, mas havia o desejo de uma nova forma de fazer arte, vontade, felicidade.

Rejane disse...

A letra da música "Comida" relata que a comida e a bebida são indispensáveis para sobrevivência humana, mas estas não são suficientes para realizar o homem, pois ele é um ser com muitas aspirações, diferente dos animais irracionais.

cleide disse...

A música é uma forma de expressão, onde os artistas pode demonstrar os anseios do ser huamno, fazendo uma analise da sociedade que vive de uma sociedade. A letra da música "Comida" dos Titãs faz uma reflexão de um momento, fazendo uma crítica as injustiças sociais, que privam o ser humano das necessiades básicas, assim como sua falta de liberdade.
"...A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte..."

Carlos Eduardo! disse...

Me parece que o ser humano é um espécie de animal que não apenas se contenta com as necessidades básicas naturais. A letra faz uma referência a essa "sede" ou "fome" que para a humanidade parece insaciável.
Temos fome de cultura, arte e etc. Qual a mais voraz? Qual a mais dolorida?Essa é obvia! Mas pobreza ainda produz um tipo de fome geral.

Carlos Eduardo! disse...

Me parece que o ser humano é um espécie de animal que não apenas se contenta com as necessidades básicas naturais. A letra faz uma referência a essa "sede" ou "fome" que para a humanidade parece insaciável.
Temos fome de cultura, arte e etc. Qual a mais voraz? Qual a mais dolorida?Essa é obvia! Mas a pobreza ainda produz um tipo de fome geral.

JOSÉ AGNO disse...

A música Comida dos Titãs, composta por Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Britto, insere-se no contexto do processo de redemocratização política do Brasil, iniciado a partir de 1985 com o fim do Regime Militar e a instauração da Nova República, mas também um período marcado por elevadas taxas de inflação e desempregos. Os autores na primeira estrofe da música fazem dois questionamentos: “Você tem sede de quê? Você tem fome de quê?”. Esta passagem expressa bem às necessidades do povo brasileiro, as quais são expostas no decorrer da música, pois não é só comida-alimento que o povo precisa, este precisa também de diversão, arte, dinheiro, etc...

Karliany disse...

A letra é carregada de critica e analise de como são as
Principais necessidas de uma “sobrevivencia”
Do homem nesse mundo real.
Palavras chaves como : comida,agua,diversão ,prazer e dinheiro”
São pontos básicos para essa tal sobrevivencia que a musica expressa.
A Frase que enfocou minha atenção foi :
“A gente quer a vida

Como a vida quer...”..
Essa frase explica, ao meu ver como é visto a atual projeção que
O homem faz para sua vida : Carreira,estudos,vida pessoal e dentre outros aspectos.

MOISES disse...

O trabalho artístico em foque, trás uma percepção do que é viver em um mundo do consumo ao estremo; um mundo onde as formas de vidas tornam-se um tanto que fugazes, neste mesmo mundo o homem não se contenta só com o que lhe é posto como mínimo para sua sobrevivência, e isso é o que distancia o homem a outros animais, a cultura faz do homem elemento de sua própria propagação, tornando-se evidente na própria arte e em outras formas de concepções culturais. A busca pelo novo e pelo diferente, no meio de novas ferramentas de comunicação, transforma o mundo e trás em si novas necessidades. moises dos santos souza

Ricardo dias disse...

A letra da canção nos remete a um pensamento e a um momento de reflexão... carregada de critica, quanto aos reais anseios do ser humano, poderá sim ser entendida e admirada como um quadro, uma escultura ou mesmo uma exposição os quais as vezes tentam passar esses elementos críticos através de diversas manifestações.

Ñ M DEIXE SÓ...EU TENHO MEDO DO ESCURO disse...

Outro fator determinante, foi a existência de um Estado liberal na Inglaterra, que desde 1688 com a Revolução Gloriosa. Essa revolução que se seguiu à Revolução Puritana (1649), transformou a Monarquia Absolutista inglesa em Monarquia Parlamentar, libertando a burguesia de um Estado centralizado e intervencionista, que dará lugar a um Estado Liberal Burguês na Inglaterra um século antes da Revolução Francesa. O desenvolvimento das ferrovias irá absorver grande parte da mão-de-obra masculina adulta, provocando em escala crescente a utilização de mulheres a e crianças como trabalhadores nas fábricas têxteis e nas minas. O agravamento dos problemas sócio-econômicos com o desemprego e a fome, foram acompanhados de outros problemas, como a prostituição e o alcoolismo. Dai a acredito eu que venha encaixar a letra da musica, liberdade, vivemos em uma sociedade robotica, e hoje com a liberdade de expressao maior! Viver,viver,viver...nos tempos livre que a burquesia, asociedade, desenvolvimeto nos impoe, afinal...agente ñ quer só comida...
ADRIANA PACHECO

Ñ M DEIXE SÓ...EU TENHO MEDO DO ESCURO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
max disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
max disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
max disse...

Questiona o indivíduo sobre suas vontades que não são atendidas pelo governo acomodado com a situação do Brasil,pois comida e bebidas são necessidades essencias para nutrição humana,mas contudo não é só de alimentos quem compõe a existência humana:prazeres,desejos,amor,diversão compõe a conjutura que irá definir a estrutura e a indentidade de uma sociedade.

carlyson disse...

Com advento da modernidade e o culto do individualismo, as pessoas tende a buscar a felicidade como uma meta essencial, que pode ser caracterizada em outras atividades, em gostos que divergem de uma pessoa para outra. a musica de certa forma denunciar essa estagnação da visão política que acha que de certa forma basta o pão para que o povo em si possa levar a sua vida com plena felicidade, é uma forma de visão limitada das necessidades do homem.

A musica é um clamou um grito de angustia de um ser individual que olhar para essa sociedade que de certa forma paralisa ou se contentar com um conceito de felicidade tão restrito. O seu autor é uma pessoa individualizada que tem um conceito de felicidade mais amplo que não se contentar com tão pouco. Infelizmente passado anos da composição da musica vermos que a sociedade brasileira ainda continuar em circulo tão pobre do conceito de felicidade. Pela que vermos ao pão foi acrescentado outras modalidades de felicidade graças ao crescimento econômico que de certa forma possibilita uma maior acessecibilidade a cultura e as artes e outras modalidade de felicidade do espirito.
Assim cada vez mais nossa sociedade se tornar uma sociedade de consumo mesmo que para isso tenhamos que deixar de lado a moralidade, a honestidade. já não nos importa mais se o político roubou, desviou o que nós importa é que possamos continuar nossas compras. Nesse sentido o conceito abstrato da musica é atual, mais suas idéias estão desatualizada.

"a gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E honestidade
E Moralidade
E segurança
E igualdade..."

Como diria as feiticeiras de Macbeth " O feio é belo e o belo é feio."


Carlyson

carlyson disse...

Com advento da modernidade e o culto do individualismo, as pessoas tende a buscar a felicidade como uma meta essencial, que pode ser caracterizada em outras atividades, em gostos que divergem de uma pessoa para outra. a musica de certa forma denunciar essa estagnação da visão política que acha que de certa forma basta o pão para que o povo em si possa levar a sua vida com plena felicidade, é uma forma de visão limitada das necessidades do homem.

A musica é um clamou um grito de angustia de um ser individual que olhar para essa sociedade que de certa forma paralisa ou se contentar com um conceito de felicidade tão restrito. O seu autor é uma pessoa individualizada que tem um conceito de felicidade mais amplo que não se contentar com tão pouco. Infelizmente passado anos da composição da musica vermos que a sociedade brasileira ainda continuar em circulo tão pobre do conceito de felicidade. Pela que vermos ao pão foi acrescentado outras modalidades de felicidade graças ao crescimento econômico que de certa forma possibilita uma maior acessecibilidade a cultura e as artes e outras modalidade de felicidade do espirito.
Assim cada vez mais nossa sociedade se tornar uma sociedade de consumo mesmo que para isso tenhamos que deixar de lado a moralidade, a honestidade. já não nos importa mais se o político roubou, desviou o que nós importa é que possamos continuar nossas compras. Nesse sentido o conceito abstrato da musica é atual, mais suas idéias estão desatualizada.

"a gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E honestidade
E Moralidade
E segurança
E igualdade..."

Como diria as feiticeiras de Macbeth " O feio é belo e o belo é feio."


Carlyson

Carlinha Oliveira disse...

Qual a maior necessidade humana? A música é uma reflexão sobre este questionamento. Como está claramente explícito na letra, não é só de comida que o ser humano se mantem, não é só o dinheiro a necessidade que as pessoas expressam. O homem contemporâneo demonstra a cada momento criar novas necessidades, novas expectativas, geralmente atreladas a questão capitalista do ser, ter e poder. Porém a música vai mostrar que a questão vai além do possuir, está centrada no sentir. Pois essa batalha por aquilo que necessitamos vai nos tornando cada vez mais inconformados, e a fome só tende a crescer!
Carla Oliveira Santos (07240012)

Valéria Maria disse...

A música do Titãs nos mostra que o homem procura por muito mais do que o básico para a sobrevivência. Água e comida não são suficientes para uma pessoa ser feliz, quando o ser humano está sempre à procura de algo mais. Não foi por acaso que criamos o conceito de arte; por mais que as pessoas a vejam de formas diferentes e com significados próprios para cada pessoa, época ou sociedade, ela ainda é a expressão dos sentimentos e anseios humanos. Estamos sempre buscando por esse algo mais, além da mera sobrevivência do corpo, afinal “Bebida é água! Comida é pasto!”, e a alma também necessita ser alimentada.

Daniele S. disse...

A música Comida de Titãs traz uma reflexão sobre as necessidades e direitos do homem em sociedade, que vão muito além do básico oferecido pelo governo e das poucas condições de vida, ou subvida, que este oferece. Não somos gado que só precisa de “água e pasto”, trabalhando continuamente para conseguir sobreviver, sem “diversão, arte, felicidade”. Necessitamos mais, desejamos mais. Uma condição intrínseca do ser humano, almejar sempre mais e buscar a felicidade. Comida é um chamado a uma tomada de consciência como cidadãos e mais, como pessoas em busca de um ser e viver melhor.

Fagote da Batalha Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fagote da Batalha Lopes disse...

A letra mostra a necessidade de não se satisfazer com o que é básico para a sobrevivência. Protesta contra uma vida animalizada onde a comida virou pasto e a bebida água. E um dos pontos fundamentais desse protesto em favor de uma vida mais lúdica é o acesso à arte. Vejo uma ligação dessa letra com a aula, pois uma das primeiras coisas que Dilton falou na aula passada foi que a história da arte é uma forma de abordar o século XX sem mergulhar em sangue. Espero que se perceba cada vez mais o quanto a fome de arte pode nos ajudar a compreender o passado.
Ass. Carlos Henrique Costa de Oliveira

TONI disse...

A letra dessa música faz uma crítica a quem vê o ser humano somente como um ser carente apenas de recursos marteriais para sua realização (como certos governantes e até mesmo pais e mães de família). Ela deixa claro que muito mais que comida, de ajuda humanitária, o povo brasileiro precisa de profundos investimentos em educação, trabalho, lazer e tudo aqulio que o possa completar satisfatoriamente em todas as suas necessidades, já que não somos como os animais irracioanis, que basicamente se contentam em ter apenas seu "pão nosso de cada dia". O texto chama atenção também, como se vê, para a questão da mendicância, onde o ato de dar esmolas no fundo é um ato paliativo, pois não resolve a questão da pobreza e das desigualdades sociais, além de deixar o pedinte na qualidade de um eterno dependente da caridade alheia, haja vista que "mais importante de que dar o peixe é ensinar a pescar", sem ignorarmos também outras necessidades que todos nós como seres humanos e dotados de sensibilidade temos, como amor, respeito, companheirismo, enfim, tudo aqulio que contribua para a felicidade humana, seja em seu aspecto financeiro, seja em seu aspecto psicosocial, emocional, e por que não, espiritual.
Roberto Lima da Silva,

O que voce faz aqui? disse...

Essa canção dos titãs soa muito bem como um grito de excluídos, excluídos esses, quase miseráveis, que não só lamentam por um prato de comida, mas também por uma vida de verdade, uma vida que possa ser aproveitada ao máximo, não só um salario que possa ser usado única e exclusivamente para comer, como também um salário que lhe possa propiciar “Diversão e arte/[pois]A gente não quer só comida/A gente quer saída/Para qualquer parte... ”



Marcos Vicente Miranda Santos

Gilvanete disse...

A música de Titãs “comida”, remete-nos a refletir os anseios humanos. Enquanto seres subjetivos não contentamo-nos apenas as necessidades fisiológicas, como é enfatizado a todo momento “ agente não quer só comida”. A letra fala de algo que está bem mais além. Codifica a importância da arte, como um direito inalienável, e como tal, deve-se incentivá-la e oferecê-la, de modo que todos possam usufruir.
Percebe-se também que o dinheiro não é o bastante para a nossa felicidade. É necessário todo um conjunto; queremos fazer amor, queremos fazer arte, queremos fazer balé, queremos beber e queremos viver a vida como ela merece ser vivida.
Portanto, a música fala dos nossos anseios intimistas, não como algo mecânico, mas como um caminho viável para atingir os nossos “desejos, necessidades e vontades”. São essas as três palavras utilizadas na canção que, a meu ver, resumem toda ela, como sendo inerentes a alma humana e que incessantemente buscam saciá-las.

Antônio Everton disse...

A música apresenta a necessidade humana de não apenas as condições básicas para sobrevivência, mas também de diversão, cultura e prazer. Ao discutirmos a arte na história vemos como o básico reflete no que pode ser chamado de "acessório", como a ausência das coisas mais fundamentais para sobrevivência refletem diretamente na arte, seja no clamor pela liberdade ou pelo cumprimento das leis que protegem os cidadãos.

Maércio disse...

Comida...

A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte...

Como as últimas discussões em sala referiram-se ao conceito de arte ou da "evolução" da arte, ou mesmo da evolução na cabeça das pessoas no sentido do que fosse arte, criando novas possibilidades no que se refere à arte, se permitindo enquanto apreciador não somente daquilo que é bonito e agradável aos seus/nossos olhos, percebo na letra da música Comida, composição de de Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto e cantada por Titãs, uma criação artística belíssima que nos leva à reflexão de nossas necessidades básicas. Interpreto a criação artística como um grito inquietante. Ao refletir na letra, lembrei que muitas pessoas, inclusive eu em um passado não muito distante, afirmarem que a educação é solução para os problemas do país, no entanto sabemos que isso não é verdade se outras áreas como saúde, assistência social não receberem a devida importância. Ou seja, não vivemos somente de comida, temos desejos, sonhos, vontades, planos! Tendo um olhar mais político, queremos oportunidades de vivermos na sociedade e fazermos o que queremos fazer sem o medo de repressão; queremos liberdade! Queremos os igualdade de direitos para todos!

Ingrid F. disse...

A letra dessa musica permite refletir como o ser humano é tratado e como ele almejar ser tratado.
Quando a musica faz referência a palavra sede e fome no inicio e a resposta é bebida e pasto,dá a impresão que os seres humanos são animais e só são alimentados para sobreviverem e continuarem servindo ao propósito capitalista,mas em seguida a música questiona que o ser humano almeja mais e tem necessidades que o diferem dos animais como acesso a arte,a cultura e que não quer só o dinheiro,mas a felicidade.
O nome dá música é comida e no contexto musical ela tem diversos significados. Basta olhar que o homem tem fome, mas não é apenas de alimento que nutre o seu corpo e sim de informações e vivências que alimentem a sua mente,o seu coração e a sua alma!

anderson s ventura disse...

A música, de uma maneira geral, é uma bonita forma de se expressar opinião, opiniões, olhares... Essa música em especial nos remete aos nossos desejos mais profundos.Nos faz refletir sobre nossas fomes e nossas necessidades, que não limitam-se apenas a dinheiro,a comida ou a água."Diversão e arte" são mais que necessidades, são direitos, anseios urgentes, urgentíssimos. Como a sociedade é dividida em classes sociais, entendemos o dinheiro como uma necessidade básica de sustento, porém compreendemos também que a alma necessita de alimento, a felicidade é a "comida"da alma, e é o prato acredito eu, mais almejado por todos, no íntimo de cada ser... A música, além de nos levar a um prazer inenarrável, que é o simples fato de ouví-la, traz em seu bojo muitas mensagens, que podem e devem ser interpretadas das mais variadas maneiras possíveis. Esse é o verdadeiro sentido, o de remeter situações, de nos trazer e proporcionar lembranças, desejos contidos (ou não), fomes diversas e nos fazer parar, ainda que por alguns instantes para pensarmos em quais são as nossas fomes, e o que faremos para matá-las.

André Luiz disse...

No meu ponto de vista, "Comida" reflete duas situações. A primeira remete-se a uma crítica social, tendo como principal foco a condição de existência condicionada pelo capitalismo. A segunda está ligada a insatisfação desse modo de vida, onde há possível saída:"diversão e arte".

ronin disse...

Por meio da canção somos levados a refletir sobre as necessidades do ser humano, e enfatiza a questão de que o homem não precisa só de alimento. O que tanbém vemos nos evangelhos: "Nem só de pão viverá o homem(...)" Mat. 4:4

Bruno Lessa disse...

Essa letra, em minha opinião mostra a insatisfação e um descontentamento devido á privação de prazeres que por vezes são difíceis de se obter no mundo contemporâneo devido ao ritmo acelerado de um modo de vida que não oferece qualidade a quem nele vive.
E esse mesmo ritmo, priva as pessoas de hábitos que por vezes se fazem necessários.
Necessidade não é apenas o básico pra se viver. Necessidade é o que nos traz prazer em viver. A letra remete alívio da dor. Dor essa que podemos interpretar como as dificuldades do mundo de hoje. O difícil acesso à cultura, boa alimentação e bons hábitos de vida, são o contraponto dessa nova realidade.
Percebo a letra como um protesto explícito contra a falta de condição de se viver de maneira digna e por vezes nos faz lembrar do que é necessário pra nos sentirmos bem.

isaac santos santana disse...

Que pena não se faz mais música como antigamente. Música q fala dos problemas sociais como, a fome,miséria,educação ou falta dela. Hoje vemos música q faz apologia ao sexo(prostituição)as drogas a violência.E fazemos,nós formadores de opiniões , nada até muitas vezes até aplaudimos.A música dos Titãs denuncia talvez a fome, a falta de laser,de cultura,a,fome de aprender uma boa educação......

elias de souzaexoclac disse...

A letra da música Comida é demasiado clara no que se propõem a afirmar. Toda a letra pode ser resumida nesta estrofe: “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”. Ou seja, o homem não necessita somente de alimento, de comida. Ele, por ser um ser pensante, e é essa característica, a sua capacidade cognitiva, que o distingue dos demais seres vivos, necessita de mais do que isso, necessita de alimento para sua atividade pensante.
Como um exemplo de alimento para a digestão cognitiva do homem, e como um convite a esta refeição, é apresentado o quadro A traição das imagens, de René Magritte.
Caso a intenção do profº Dilton foi apresentar uma relação mais íntima entre a letra da música e o quadro, relação essa que impede outra obra de arte de ocupar o espaço que ocupa o quadro do Magritte nesta postagem do blog, confesso não tem compreendido a grandeza da empreitada.

This Day in History